top of page
Buscar

A chegada do El Niño de 2023-2024

Os meses de espera terminaram, o consenso está praticamente formado e agora podemos enfim dizer que o El Niño de 2023-2024 chegou para ficar por um bom tempo. Essa chegada também não poderia ser mais simbólica, já que o último mês foi considerado pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) e pela Copernicus como o Junho mais quente do registro histórico desde 1850. Confira as atualizações climáticas em mais uma edição do Monitor do ENOS, a coluna exclusiva do Blog da Meteonorte para deixar você por dentro de um dos fenômenos climáticos mais importantes do nosso planeta.


O começo do novo capítulo


O início desse novo evento logo no mês de Junho pode parecer estranho à própria origem do termo "El Niño", que remonta ao século XIX quando pescadores peruanos notavam um aquecimento recorrente e anormal das águas do Oceano Pacífico próximo à costa peruana. Eles o chamavam de "El Niño de Navidad", pois esse fenômeno costumava ser percebido no tempo próximo ao Natal uma referência ao Menino Jesus. Mesmo depois que os pesquisadores começaram a compreender a natureza complexa desse fenômeno, entre os anos 60 e 70, o nome "El Niño" continuou a ser empregado e serviu como uma referência icônica para um dos mecanismos de variabilidade climática mais estudados do nosso planeta.


Quando olhamos para todos os meses com eventos de El Niño desde 1991, vemos que as médias indicam que um evento como esse costuma atravessar o limiar de 0,5 °C a partir de Junho, sem fazer distinção entre as categorias de intensidade. Você pode visualizar no gráfico abaixo a comparação entre as médias mensais de todos os eventos de El Niño identificados com o Índice Niño 3.4 e o desenvolvimento do El Niño de 2023-2024. O valor do índice no último mês de Junho foi quase idêntico ao da média de longo prazo, com a diferença de que o evento atual deu um salto de desenvolvimento entre Abril a Junho.



Essa rápida evolução no aquecimento anômalo das águas do Pacífico reforçou e contribuiu para que o último Junho tenha sido globalmente o mais quente de todos os Junhos, desde o início dos registros históricos de mais de um século e meio. O Oceano Atlântico também "responde" por uma grande parte desse aquecimento recorde e é causa de grande preocupação para o cenário climático dos próximos períodos. Ao passo que testemunhamos o início do El Niño de 2023-2024 em um dos meses mais quentes da história, somos confrontados com um cenário que demanda uma análise aprofundada da interconexão entre os eventos climáticos.


A sinergia entre os eventos climáticos extremos nos alerta para a necessidade urgente de amplas medidas de adaptação e mitigação dos impactos para o sociedade. Compreender o desenvolvimento do El Niño de 2023-2024 à luz do aquecimento global a partir de agora será fundamental para enfrentar os desafios climáticos em curso e buscar soluções que ajudem a minimizar as consequências adversas desses fenômenos, em especial para o setor agrícola e de geração de energias renováveis.


Para onde estamos indo


Como é de se esperar, o El Niño de 2023-2024 vai dominar o cenário climático pelo resto do ano desde já. O consenso geral mais recente entre 8 modelos de previsão climática, o Ensemble no gráfico abaixo, aponta que o Índice Niño 3.4 pode terminar o mês de Julho com o valor de 1,2 °C acima da média histórica, o que o coloca o evento atual dentro da categoria de intensidade moderada logo em seu segundo mês de vida.


Você viu na edição de Junho do Monitor do ENOS que o Ensemble mais recente até então indicava que o Niño 3.4 chegaria a 0,95 °C no mês passado, quando o valor real observado foi de 0,81 °C uma diferença de 0,14 °C. Em vista disso, é provável que o valor de Julho ultrapasse a casa dos 1,0 °C, mas com chances de ser menor do que indica o Ensemble acima. De acordo com as previsões, é muito provável que o El Niño de 2023-2024 atinja a categoria de intensidade forte de forma mais consistente entre os meses de Agosto e Setembro e continue o seu ciclo de desenvolvimento.


É muito importante ressaltar que até agora não há indicativo nas previsões de que o El Niño de 2023-2024 torne-se um Super El Niño como foi o de 2015-2016, que chegou a mais 2,7 °C acima da média histórica, mas as chances são grandes de que o evento atual possa vir a ser pelo menos o segundo mais intenso do Século 21.


Aconteça o que acontecer, os próximos passos do El Niño serão acompanhados de perto e você vai continuar podendo contar com as análises exclusivas da coluna Monitor do ENOS no Blog da Meteonorte. Além de acompanhar as análises, você também pode ver muito mais mapas e dados e interagir ao vivo participando das sessões das Meteotalks.


Enquanto isso, siga a Meteonorte nas redes e compartilhe esse conteúdo climático com quem você conhece. Até a próxima edição!

bottom of page