Buscar
  • meteonorte

O Clima e o Café da Alta Mogiana

A Alta Mogiana é uma das principais regiões produtoras de café arábica do Brasil, formada por 15 municípios do norte de São Paulo na divisa com Minas Gerais. O cultivo de café nessa região é bastante tradicional e destacado, com mais de 200 anos de história e reconhecimento internacional pela qualidade de seus cafés especiais.


Um dos principais centros da Alta Mogiana é o município de Franca, dono de uma área plantada de mais de 60 mil hectares de café. Franca também possui a única estação meteorológica convencional operada pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) desde pelo menos 1961, o que nos permite entender melhor o comportamento climático da região ao longo dessas últimas décadas.


Compreender melhor a relação entre as variáveis climáticas e a produção de café arábica é essencial para as lavouras da Alta Mogiana, pelo fato de que essa cultura exige um padrão de temperaturas e precipitação muito bem definido para sobreviver. A faixa climática ideal é de temperaturas médias anuais entre 18 a 22 °C e precipitação anual entre 1200 a 1800 mm. Variações acima ou abaixo desses limiares podem ser extremamente prejudiciais à produtividade, qualidade e a própria adaptabilidade da cafeicultura na região.


A partir dos dados da estação convencional de Franca, sabemos que a temperatura média anual no município entre os anos de 1991 a 2020 — o Novo Normal — é de 21.3 °C. Esse valor está dentro da faixa de temperaturas considerada mais favorável para o café arábica, mas por outro lado, essa média já foi de 20.4 °C no período de 1961 a 1990. Isso representa um aquecimento médio de 0.9 °C em Franca ao longo desses mais de 60 anos de observações.


O gráfico acima mostra o comportamento da temperatura média registrado pela estação meteorológica de Franca para cada ano entre 1961 a 2021. É evidente que há uma tendência de aquecimento no município, o que representa um risco bastante relevante para o futuro do café arábica na Alta Mogiana se essa trajetória continuar nas próximas décadas e provavelmente vai. É também possível ver que a temperatura de Franca cruzou o limite de 22 °C quatro vezes na década passada. O ano mais quente da série histórica foi 2020, com 22.2 °C, quase 1 °C acima da média histórica de 1991 a 2020 e quase 2 °C considerando 1961 a 1990.


Além da temperatura, o regime de chuvas é também é primordial para toda e qualquer cultura agrícola, como é o caso do café arábica. O nível de precipitação anual acumulada, também chamado de índice pluviométrico anual, de Franca é de 1650.5 mm considerando o período mais recente de 1991 a 2020, que também está dentro da faixa ideal para as lavouras assim como a temperatura.



Pelo gráfico, vemos que há uma grande variabilidade interanual isto é, de ano a ano em Franca, mas de forma geral os anos tendem a estar contidos dentro dessa faixa de 1200 a 1800 mm por ano. Uma tendência de aumento ou redução de chuvas não é clara nos registros da estação meteorológica, mas a ocorrência de Secas têm sido recorrente nos últimos anos, como é o caso da Seca recente de 2020-2021.


Ao que parece, o principal risco ligado às mudanças climáticas para o café arábica de Franca e da Alta Mogiana para as próximas décadas é o claro aumento da temperatura média. Temperaturas mais elevadas significam mais danos às lavouras, mais Ondas de Calor, mais custos com irrigação e mais riscos à própria sobrevivência de uma cultura que faz parte da história dessa região há séculos.

 

Qual deve ser a próxima região produtora de café no blog? Mande sua sugestão para meteonorte@meteonorte.com!