Buscar
  • meteonorte

Os primeiros 10 dias de chuvas no Brasil em 2022

O ano começou chuvoso na maior parte do país. Basta abrir os jornais e se deparar com várias notícias sobre alagamentos, deslizamentos de terra e outros desastres. Uma sequência de eventos de formação da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) responde pela maior parte dessas tempestades e pelos prejuízos que serão calculados.


O mapa ao lado mostra os níveis de precipitação acumulada nos primeiros 10 dias de 2022 no Brasil. Na Região Norte, alguns municípios nos Estados do Pará, Tocantins e Amazonas já registraram mais de 200 mm de chuva somente nesse mesmo período.


A situação é crítica no Tocantins, onde a rápida subida de alguns rios por conta das chuvas intensas deixou famílias desabrigadas em várias regiões do Estado. O destaque fica para o município de Almas, que teve acumulado de quase 242 mm nesses primeiros 10 dias.



No Nordeste, as chuvas ficaram mais concentradas em parte do Maranhão, Piauí e Bahia que formam a região conhecida como MaToPiBa junto com Tocantins. Depois do Dezembro mais chuvoso dos últimos anos na Bahia, principalmente no Sul do Estado, o começo de Janeiro tem sido mais chuvoso na parte oeste. Barreiras e Luís Eduardo Magalhães, importantes centros do agronegócio baiano, registraram acumulados de precipitação de 104 mm e 160 mm.


Mas de todo o país, Minas Gerais é o Estado onde as chuvas estão sendo mais intensas e impressionando pelos níveis muito acima da média histórica. Algumas regiões já ultrapassaram a marca dos 400 mm de chuva só neste começo de ano, como é o caso de Divinópolis (461 mm). Em Ibirité, na região metropolitana de Belo Horizonte, encontra-se o maior acumulado de 2022 até o momento no Brasil, com incríveis 573 mm até o dia 10.

O gráfico acima mostra os acumulados de precipitação durante o início do ano em Ibirité, registrados pela estação meteorológica automática do INMET no município. Podemos ver facilmente que o total de chuvas em Janeiro já excedeu o esperado do mês inteiro, representado pela linha amarela, desde o último dia 8. O acumulado de 573 mm também significa um valor de 287 mm acima da média histórica.


Até agora, esse é o segundo mês mais chuvoso de Ibirité desde 2008. O primeiro é Janeiro de 2020, com o total de também impressionantes 803 mm. Faltando 20 dias para fechar o primeiro mês, será que o atual Janeiro de 2022 vai conseguir superar esse recorde? Vai depender da ZCAS.